ADMINISTRAÇÃO  


Menos impresso, menos papel ( 04/07/2014 )

Com poucas exceções, como alguns papéis especiais e os cortados – cut size, destinados a papelarias e escritórios –, em geral, o papel é matéria-prima para a indústria gráfica que o transforma em produtos diversos, de livros e revistas a embalagens, passando pelos impressos comerciais. Fortemente impactada pelas tecnologias, a indústria gráfica nacional enfrenta ainda uma série de problemas que têm comprometido seus resultados. O principal indicador é a produção física, que foi negativa nos dois últimos anos e deve fechar 2014 com nova queda, ainda que menos acentuada. “Devemos fechar o ano com declínio de 1,7% na produção física. A reversão dessa tendência parece difícil diante da ausência de indícios de mudanças no cenário econômico. O ambiente externo continua desfavorável ao Brasil, e internamente, inseguranças jurídicas, tributárias e de infraestrutura desencorajam investimentos”, avaliou no início do ano, o presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf Nacional), Fabio Mortara.
O setor gráfico nacional emprega cerca de 220 mil trabalhadores em 20,5 mil empresas, sendo 97% delas de micro e pequeno porte e, em 2013, faturou R$ 44 bilhões. Apesar dos grandes números, o setor registrou queda de 6,7% na produção física, superando o índice negativo de 2012, de 4,6%. Conforme os dados da Abigraf, o segmento de produtos gráficos e editoriais tem sido o mais prejudicado, acumulando perdas de produção de 6,1% e 12,1%, em 2012 e 2013, respectivamente.
Na divulgação dos resultados do ano passado, a Associação avaliou que a estimativa pessimista para 2014 deve-se a fatores como juros altos, política fiscal inadequada, inseguranças quanto à oferta e tarifas de energia elétrica e incertezas externas, que envolvem desde a política monetária dos Estados Unidos à recuperação econômica da Argentina, destino de cerca de 8% das exportações brasileiras. Somado a este cenário, o setor sofre ainda com a crescente presença da tecnologia, mudando a relação do consumidor com as comunicações, que afeta diretamente os veículos de imprensa e as ações de propaganda e publicidade e, consequentemente, a demanda e o consumo de papéis.
Além de tudo isso, a indústria gráfica tem ainda questões tributárias (como a cobrança de PIS/COFINS) que desequilibram a concorrência, em especial com as importações, que têm tirado parte do faturamento do setor. O saldo da balança comercial da indústria gráfica vem registrando déficits nos últimos sete anos. Só no primeiro trimestre deste ano, as indústrias gráficas brasileiras mandaram para o exterior 21,9 mil toneladas de produtos que somaram US$ 63,3 milhões, enquanto as importações de 20,3 mil toneladas levaram US$ 117,9 milhões, de acordo com o Departamento Econômico da Abigraf, com base em dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Ainda que em volume as saídas superem as entradas em 1,6 mil tonelada, a avaliação é que o déficit na balança mostra a baixa competitividade da indústria nacional em produtos de maior valor agregado, o que acaba refletindo no resultado do setor e no consumo interno de papel.
Prévia do trimestre
No primeiro trimestre deste ano, a produção física da indústria gráfica encolheu 2,9% em comparação com o mesmo período de 2013, segundo cálculo da Abigraf, com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado, apesar de negativo, indica maior moderação no movimento de queda do setor, que fechou 2013 com recuo de 3,6%, como apurado a partir da nova metodologia empregada pelo Instituto.
Descontado o padrão sazonal, o resultado representou um crescimento de 2% na produção em relação ao trimestre anterior. O ganho torna-se ainda mais surpreendente frente ao recuo de 0,5% da indústria de transformação no período. “Mas ainda é cedo para falar em recuperação. Diante das baixas previsões de crescimento do PIB, estabilizar a produção gráfica nesse patamar já será um bom resultado”, avalia Levi Ceregato, que assumiu a presidência da Abigraf Nacional em junho.

 
 VOLTAR