ADMINISTRAÇÃO  


Unidos e fortes em defesa da produção gráfica e editorial ( 13/03/2017 )

Cada empresário ou representante dos segmentos da cadeia produtiva do papel, da indústria gráfica e editorial é capaz de elencar os principais entraves que drenam a produtividade e a rentabilidade de suas atividades. É certo que enfrentamos uma verdadeira avalanche de fatos ruins, com providências funestas à saúde do mercado gráfico e editorial, vindas tanto dos agentes públicos reguladores e fiscalizadores quanto de agentes do setor. Essa constatação por si só deve servir de motivação para buscarmos caminhos de valorização dessa cadeia de negócios, que tem números tão grandiosos quanto sua capacidade.

Há um bom tempo a Andipa vem alertando para os riscos da concentração no mercado papeleiro brasileiro, restringindo a livre concorrência para aquisição de produtos que são insumos básicos para a indústria gráfica e editorial. A concentração é um mal com potencial para agravar – e muito – as barreiras já enfrentadas. Só a livre concorrência garante o pleno abastecimento e a oferta de insumos e bens nas condições necessárias à produção nacional, com produtividade e rentabilidade.

É bom lembrar que a abertura da economia brasileira deu-se há menos de três décadas, no governo Collor, e desde então vem se construindo no País uma nova cultura comercial, livre do ranço do mercado fechado, das cotas e da falta de competitividade amparada no protecionismo do Estado.

Ainda assim, apelos e argumentos protecionistas tendem a recrudescer como forma de evitar a concorrência. É uma alternativa questionável diante da realidade de comércio global, onde a livre concorrência deveria dar as condições necessárias à saudável competição e ao crescimento do mercado. É claro que medidas protecionistas fazem parte do jogo nas relações globalizadas, mas precisamos de mais acordos multilaterais e de menos barreiras.

Olhemos para nosso mercado. Para produzir com excelência, o que pressupõe qualidade, produtividade e rentabilidade, a indústria gráfica nacional precisa estar equipada e ter acesso aos melhores insumos e preços competitivos. O parque gráfico nacional é moderno e eficiente, mas a produtividade é drenada por restrições de toda ordem, das tributárias e regulatórias, até a burocracia paralisante que onera a produção nacional. O foco do empresário deve estar na produção para oferecer livros, revistas, jornais, embalagens e impressos em geral ao menor custo e com a melhor qualidade, seja para o consumidor direto ou agregando valor a outras cadeias produtivas. Da mesma forma, ao distribuidor compete oferecer papéis com diversidade, qualidade e preços justos, com agilidade e em condições que atendam às diferentes demandas de cada segmento.

Temos visto serem empreendidas batalhas pontuais, ora coletivas, ora isoladas de um segmento ou outro. Mas, o problema é maior e de todos. É hora de efetivamente somarmos os esforços e construirmos uma agenda positiva em prol da produção gráfica e editorial nacional. Aliás, repita-se em alto e bom som, uma cadeia produtiva de milhares de empresas, geradora de emprego e renda, e que movimenta a economia em todos os cantos do Brasil. Não faz sentido algum deixarmos que medidas protecionistas, de qualquer natureza, prejudiquem nossa cadeia de negócios em favor de um ou outro, seja quem for.

A única e verdadeira proteção à indústria nacional é aquela que garante o acesso aos insumos e às condições ideais para a competitividade e para a produção de riquezas no País. Taxar, sobretaxar, restringir e burocratizar tornaram-se práticas comuns do protecionismo que favorece uns poucos e prejudica muitos, pois mina a produtividade e a rentabilidade da indústria gráfica e editorial brasileira, afetando o mercado papeleiro e ainda mais a economia nacional.

Incomoda quando empresas aceitam baixar o padrão da matéria-prima e consequentemente de seus produtos para sobreviver diante de tantos entraves, que têm seus estragos potencializados pelo cenário de retração econômica, como o enfrentado no Brasil. É isso que queremos para nossa cadeia de negócios? Vamos aceitar um downgrade na produção gráfica e editorial nacional?

Baixar a qualidade daquilo que se produz e oferece para se manter no mercado pode até ser uma alternativa para a gestão empresarial individual, mas não pode ser um caminho aceitável para uma cadeia de negócios. Os segmentos ligados ao mercado gráfico e editorial devem se unir diante dos desafios comuns e pela valorização do setor que é forte, expressivo e gerador de riquezas para a economia brasileira. Por isso, propomos a formação de uma frente representativa que construa uma agenda positiva, a partir das posições das entidades, sobre os temas que interessam e afetam a todos os segmentos da cadeia produtiva.

Juntos, nesse movimento, podemos ter mais competitividade, fortalecendo a indústria gráfica e editorial nacional.


Vitor Paulo de Andrade
Presidente do Conselho Diretor

 
 VOLTAR