ADMINISTRAÇÃO  


Use a crise para se capacitar e rever condutas ( 13/03/2017 )

Por Kie Kume *

Milhões de trabalhadores às voltas com o desemprego, milhares de empresas endividadas e muitas quase decretando falência, estados quebrados e agitados por protestos de servidores, o governo federal enfrentando queda de arrecadação e sem dinheiro para investimentos. Esse é o retrato da recessão, com duras consequências para a maioria dos brasileiros. Mas, se podemos afirmar que a crise tem um lado positivo, este é o que força as pessoas, as empresas e o próprio governo a profundas mudanças.

O governo precisa sanear suas contas e não gastar mais do que arrecada. As empresas precisam reavaliar seus negócios e adequar seus produtos às reais necessidades dos clientes. E cada um de nós deve mudar hábitos, evitar endividamentos e aproveitar a crise para melhorar a própria capacitação. O valor de cada indivíduo é cada vez mais medido com base em sua competência. “Apenas aqueles que são capazes de sobreviver em tempos difíceis é que têm condições de se tornar líderes na próxima era” (quando o crescimento econômico voltar), afirma o autor e líder espiritual japonês, Ryuho Okawa, que acaba de lançar em português “As Leis da Invencibilidade” (IRH Press do Brasil), mostrando caminhos para sairmos fortalecidos de uma recessão.

Temos de estar conscientes de que devemos suportar a dor das atuais privações e nos preparar para descartar antigos procedimentos que nos conduziram à situação atual. O economista e cientista político austríaco Joseph Schumpeter (1883-1950), conhecido como o “profeta da inovação”, fala em “destruição criativa”, um período de destruição que permitirá construir um novo futuro. É hora de revermos nossas condutas, nossas capacidades, nosso empreendedorismo, nossos negócios. Nos negócios, de modo especial, “os empreendedores precisam desenvolver um agudo senso das tendências futuras”, diz Okawa.

Muitas das reflexões contidas em “As Leis da Invencibilidade” foram feitas por Okawa considerando a realidade japonesa da virada para o século 21. Mas se aplicam quase à risca à realidade brasileira atual. “Muitos dos negócios que estiveram sob proteção governamental serão forçados a falir. Isso inclui não somente pequenas firmas, mas também grandes corporações. Com isso, haverá desemprego em larga escala.”

As coisas ficaram mais difíceis, mas o lado positivo é que o valor de cada indivíduo será avaliado com base em sua competência. As pessoas começarão a descobrir o valor de investir em si mesmas e, assim, passarão a dar maior importância ao desenvolvimento de suas capacidades, diz o autor japonês. Na crise, “a forma mais eficaz de investimento é investir em si mesmo; o autoinvestimento produz o melhor retorno. A economia vai acabar se recuperando. Então, você deve investir em algo que lhe traga lucro quando isso ocorrer.”

O que você gasta em uma especialização pode trazer mais retorno do que os juros que receberia pela mesma quantia depositada num banco. Em épocas de recessão, se você gastar dinheiro, é melhor usá-lo para aprimorar os conhecimentos ou para aprender algo novo que possa desenvolver seu potencial. E se você tem uma família, também pode cortar gastos supérfluos e investir na educação dos filhos. Será, além da importância de uma boa educação para a vida pessoal deles, um investimento extremamente lucrativo.

É comum, nesse tempo de dificuldades, que sejamos forçados a trabalhar em funções muito distintas da profissão em que nos especializamos. É o caso de muitos engenheiros recrutados para trabalhar em vendas de máquinas e equipamentos, de nutricionistas voltados à distribuição e comercialização de produtos alimentares, de advogados, jornalistas, publicitários administradores e tantos outros profissionais atuando em serviços que pouco ou nada têm a ver com suas áreas. O segredo é não desanimar, certos de que, mesmo não sendo nadadores, temos que usar todas as nossas forças, físicas e espirituais, para alcançar a outra margem do rio. Mas, sem desespero e conscientes de que com equilíbrio nos recuperaremos. Não há crise que dure para sempre.

As crises ensinam que as pessoas nunca devem se acomodar. É no sofrimento que podemos moldar nosso caráter, como o ferreiro molda o ferro e fabrica belas ferramentas depois de levá-lo ao fogo. A vida é uma sequência contínua de batalhas e nossa meta é continuar vencendo todas as vezes que enfrentamos grandes desafios. Caso você tenha sido demitido de um emprego, defina um plano de ação junto com sua família, se aconselhe com amigos e vá à luta. É fundamental não ficar parado. Nunca desanime. Sofrer faz parte de nossa caminhada.


*Kie Kume é gerente da editora IRH Press do Brasil, que publica em português as obras de Ryuho Okawa, autor Japonês de mais de 2100 livros, publicados em 28 idiomas

 
 VOLTAR