ADMINISTRAÇÃO  


Março menos ruim contém retração no mercado de imprimir e escrev ( 06/05/2015 )

Com março melhor do que os meses anteriores, o mercado brasileiro de papéis para imprimir e escrever (I&E) apresentou sinais de recuperação, embora ainda acumule redução no primeiro trimestre, na comparação com o mesmo período de 2014. No mês, o resultado ainda é menor que o do ano passado, conforme mostra o relatório Cenários Ibá de abril, divulgado pela Indústria Brasileira de Árvores.
Os números do primeiro bimestre apontavam queda média de 17% na demanda de papéis para imprimir e escrever. Considerando o resultado de março, o recuo no ano ficou em torno de 14,5% em relação ao primeiro trimestre do ano passado.
As vendas domésticas dos fabricantes nacionais caíram 15,1% entre janeiro e março, passando de 398 mil toneladas no ano passado para 338 mil toneladas. A redução foi ligeiramente menor nas entradas de papéis de I&E estrangeiros, que somaram 119 mil toneladas, ante 137 mil toneladas no primeiro trimestre de 2014 (-13,1%).
As exportações brasileiras destes papéis registraram o melhor resultado no período, com provável reflexo da variação cambial. Em março foram embarcadas para o exterior 76 mil toneladas de papéis para impressão e escrita, 10% mais do que as 69 mil toneladas do período equivalente em 2014. Com isso, o acumulado deste ano passou de -8,1% no primeiro bimestre para -2,3% no trimestre.
Entre janeiro e março, os fabricantes nacionais reduziram em 4,8% a produção de papel para imprimir e escrever (de 650 mil toneladas, em 2014, para 619 mil toneladas, em 2015).
No geral, a produção brasileira caiu 0,8% este ano, com crescimento apenas nos segmentos de embalagens e sanitários, 1,8% e 0,4%, respectivamente. No entanto, os resultados não se repetiram nas vendas internas. Conforme o relatório, nos três primeiros meses deste ano, a venda doméstica caiu em todos os segmentos, ficando 6,3% menor do que no primeiro trimestre de 2014.
Ainda de acordo com dados do Cenário Ibá, a produção e a venda interna de papel cartão foram menores (-4,7% e –8,7%), enquanto as importações cresceram 36,4%. No primeiro trimestre de 2015 foram produzidas 161 mil toneladas de papel cartão, sendo 46 mil toneladas destinadas à exportação e 115 mil toneladas ao mercado interno, que também importou 15 mil toneladas, de acordo com números do dos fabricantes nacionais.

 
 VOLTAR