ADMINISTRAÇÃO  


Importação de papel imune caiu 62% em cinco anos ( 07/03/2018 )

Do NewsPaper – edição 61 – março de 2018

Das importações totais de papéis em 2017, 295 mil toneladas foram internalizadas com imunidade tributária, para serem utilizadas na impressão de livros, jornais e periódicos, conforme previsto na alínea d do inciso VI do art. 150 da Constituição Federal. Em cinco anos, a entrada de papel imune estrangeiro diminuiu 62%, conforme os dados informados pela Coordenação Geral de Administração Aduaneira – COANA, da Secretaria da Receita Federal (SRF).

A pesquisa no sistema DW Aduaneiro mostrou que as importações registradas com imunidade somaram 773 mil toneladas em 2013 e apresentaram redução gradativa nos anos seguintes.

Em 2014, foram 691 mil toneladas, com recuo de 37% no ano seguinte, que somou 438 mil toneladas. Com nova queda de 28%, o total de papel imune importado em 2016 ficou em 312 mil toneladas. Os dados foram encaminhados em 29 de dezembro incluindo o consolidado de 2017 (295 mil toneladas).

Dentre os tipos de papéis passíveis de aplicação da imunidade, o presidente executivo da Andipa, Vicente Amato Sobrinho, explica que o jornal é o único com destinação integral na produção editorial. Os demais papéis para imprimir e escrever e o cartão são utilizados também em impressos comerciais, não contemplados com o benefício.
Considerando as informações disponibilizadas mensalmente, acompanhadas pela Andipa no Sistema AliceWeb, da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), em 2017 as importações de papel jornal somaram 102 mil toneladas, menos de um terço do volume desembarcado em 2013 (318 mil toneladas).

Desta forma, se o volume referente ao jornal for separado do total apurado pela COANA, o saldo restante corresponde aos papéis para impressão e escrita e cartão, utilizados na publicação de revistas e livros. Isso equivale a dizer que, nos últimos cinco anos, a oferta destes tipos de papéis estrangeiros teve uma redução de 57%, passando de 455 mil toneladas para 193 mil toneladas.

Há cinco anos as importações anuais destes dois subgrupos eram da ordem de 608 mil toneladas. Em 2017 as entradas de papéis de imprimir e escrever e cartão atingiram 395 mil toneladas, conforme as estatísticas da Indústria Brasileira de Árvores. Ou seja, o mercado de importação de papel em geral teve queda de 35% no período de 2013 a 2017. Para a Andipa, a redução mais acentuada nos segmentos de jornal e imprimir e escrever é reflexo tanto do avanço dos meios digitais quanto das sucessivas crises econômicas e afetou igualmente a produção editorial, amparada pelo beneficio fiscal, e a comercial, que engloba todos os outros tipos de impressos.

 
 VOLTAR