ADMINISTRAÇÃO  


ESTATÍSTICAS ( 24/01/2020 )

Com exceções, importação de papéis diminuiu em 2019

De janeiro a dezembro de 2019, as entradas de papéis estrangeiros no Brasil ficaram abaixo dos volumes apurados no ano anterior, conforme registrado pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O NewsPaper acompanha as estatísticas nacionais de comércio exterior, disponíveis para consulta pública pelo Portal Comex Stat, e divulga os volumes apurados em sete subgrupos que são os mais comercializados pelo segmento de distribuição.

As importações em geral tiveram desempenho negativo em 2019 em comparação com 2018. Considerando os registros no Capítulo 48 do Sistema Harmonizado (SH) de classificação de mercadorias, que corresponde a todos os tipos de papéis utilizados para diversos fins, em 2019 foram internalizadas 682,2 mil toneladas de papéis, 4,5% menos que as 714,5 mil toneladas do ano anterior.

Dentre os itens mais específicos do mercado de distribuição, o recuo foi da ordem de 11,1%. Somando os volumes correspondentes às NCMs (Nomenclaturas Comum do Mercosul) dos itens monitorados pela Andipa, em 2019 foram importadas 351,9 mil toneladas de papéis, contra 395,9 mil toneladas no ano anterior, uma diferença de 44 mil toneladas. Sozinho, o papel jornal respondeu por 78% desse volume, resultado da redução de 34,4 mil toneladas nas importações de 2019. Segundo dados oficiais, entraram no Brasil 74,8 mil toneladas de papel jornal em 2019, 31,5% a menos que as 109,2 mil toneladas registradas no ano anterior.

As exceções foram as entradas dos papéis MWC e cut size, que registraram crescimento no período. No ano, a importação de MWC (NCM 4810.29.90) cresceu 8,2%, passando de 85,3 mil toneladas para 92,3 mil toneladas, conforme registro oficial. Entre os papéis cortados (cut size), as importações do ano passado cresceram 12,3% sobre as 21,2 mil toneladas de 2018, totalizando 23,8 mil toneladas.

Considerado o principal item de importação do segmento, o papel cuchê oscilou ao longo do ano. Depois da queda de 4,6% no primeiro trimestre, o grupo teve resultados positivos no segundo (4,2%) e no terceiro trimestres (14,9%), voltando a cair 20,5% nos últimos três meses de 2019 em relação a igual período de 2018. Segundo dados oficiais, os desembarques nas quatro NCMs que compõem o grupo de papéis cuchê – alta e baixa gramaturas, em bobinas e em folhas, inscritos nas NCMs 4810.13.89, 4810.13.90, 4810.19.89 e 4810.19.90 – somaram 91 mil toneladas em 2019, volume 1,2% abaixo das 92,1 mil toneladas computadas nos doze meses de 2018.
Percentualmente a maior queda ficou com os papéis ofsete, classificados nas NCMs 4802.55.99 e 4802.57.99, com desembarque de 14,1 mil toneladas em 2019, 40% menos que as 23,6 mil toneladas apuradas em 2018. O tipo LWC é o que apresenta o menor volume de importações entre os itens selecionados. Foram 9,2 mil toneladas de LWC no ano passado e 10,6 mil toneladas um ano antes, conforme o Portal Comex Stat, uma queda de 13,2%.

O papel cartão (NCM 4810.92.90) completa a cesta de itens acompanhados pela Andipa. No ano passado entraram no País 46,7 mil toneladas de cartão, volume 13,2% abaixo das 53,8 mil toneladas registradas em 2018.

 
 VOLTAR